Comunidade sustentável - um desafio

por Robert Gilman

Robert Gilman é diretor do Context Institute. Recebeu o doutorado de astrofísica na Universidade de Princeton. Foi docente da Universidade de Minnesota e fez investigações no Observatório Astrofísico Smithsoniano de Harvard e na NASA. Desde 1975, quando decidiu que "as estrelas podem esperar, mas o planeta não", estudou a sustentabilidade global, investigações do futuro e estratégias para mudanças culturais positivas. Foi fundador e editor da revista INCONTEXT. Tem amplos antecedentes na historia das culturas, teorias inovadoras, economias sustentáveis, tecnologias apropriadas, e conservação de recursos. Com sua esposa Diane desenharam sua própria casa solar. A Reportagem de Ecovilas e Comunidades Sustentáveis é uma recopilação realizada pelos Gilman, a pedido do Gaia Trust da Dinamarca, em 1991. Essa seção está dedicada a todos aqueles que desejam ser ou já são participantes do desenvolvimento de Ecovilas, fundadores ou membros de uma comunidade, consultores e apoio no processo de desenvolvimento de Ecovilas. Será mais útil se esse material for lido por todos os membros do grupo de desenvolvimento da comunidade, discutido e logo incorporado ao processo grupal.

 

Poderiamos pensar que o principal conjunto de pontos guias para o desenvolvimento de Ecovilas, teria a ver com a parte eco, ou seja, com o manejar o bio-sistema e a construção ambiental. Esses pontos são certamente importantes, mas o que temos aprendido ao estudar as comunidades existentes e ao entrevistar as muitas pessoas com vasta experiência em tais comunidades, é que esses sistemas físicos são os aspectos mais fáceis no desenvolvimento de Ecovilas. Também são os mais variáveis, porque o detalhe de como manejar o bio-sistema ou a construção depende em grande parte da especificidade de cada comunidade. É por isso que focalizaremos certos aspectos críticos do processo de desenvolvimento das Ecovilas, onde a necessidade é maior.

Pode ser difícil ser pioneiro de comunidades sustentáveis, mas não é impossível, ainda mais, porque tem suas satisfações e recompensas. De fato, numerosos grupos o intentaram por décadas. Para ver as dificuldades que esses pioneiros enfrentaram, vamos dar uma olhada aos variados desafios que a visão de Ecovilas acarreta. Sem dúvida, essas observações podem ajudar-nos a enfrentar os desafios que nos toquem no desenvolvimento de nossos projetos.

Desafios do bio-sistema

Para que a Ecovila esteja integrada harmonicamente ao ambiente natural, é necessário encontrar-se maneiras amigáveis e ecológicas de:

- Preservar os habitats naturais da Ecovila;

- Produzir alimentos, madeira e outros bio-recursos no lugar;

- Processar os resíduos orgânicos produzidos no lugar;

- Despejar a menor quantidade possível de resíduos tóxicos no ambiente;

- Processar  todos os resíduos líquidos;

- Evitar o impacto ambiental no lugar pelo uso e despejo de qualquer produto.

Desafios da construção ambiental

- Construir com materiais ecológicos.

- Usar fontes de energia renováveis.

- Manejar os resíduos sólidos, líquidos e gasosos das construções de maneira ecológica.

- Ter a mínima necessidade de transporte motorizado.

- Construir de maneira a criar menos impacto no solo e na ecologia local.

Para que a Ecovila favoreça um desenvolvimento humano sadio, é necessário que as construções:

- Tenham um bom equilíbrio entre lugares públicos e privados.

- Estimulem a interação comunitária.

 - Amparem uma grande diversidade de atividades.

Desafios do sistema econômico

Para realizar o ideal da Ecovila que favoreça um desenvolvimento humano sadio e seja completa, precisa que haja uma atividade econômica justa. Para realizar o ideal de igualdade e não de exploração, o que faz parte dos princípios da permacultura, é preciso que as atividades dos membros da Ecovila não dependam da exploração de outras pessoas ou lugares, nem da exploração do futuro no presente. Algumas das questões que a Ecovila irá enfrentar em relação ao sistema econômico, são:

-Que atividades econômicas sustentáveis, no sentido de serem suficientes para sustento dos membros da comunidade e se  mostrem ecologicamente responsáveis, serão as mais adequadas?

-Que partes da comunidade serão espaços em comum, que partes privadas?

-Como podemos ser simultaneamente eficientes econômica e ecologicamente, para reduzir tanto gastos como impactos ambientais?

-Qual é o modo mais apropriado de organização do trabalho para os negócios comunitários de uma Ecovila?

-Existem alternativas úteis, ou complementares à moeda, para facilitar o intercâmbio econômico dentro e entre diversas Ecovilas?

Desafios da gestão

Como a economia, os ideais de igualdade e não exploração são pontos essenciais, mas não nos dão uma idéia clara de como levar isso à pratica algumas perguntas úteis são:

-Como se tomarão as decisões, que métodos se utilizarão, para que tipo de decisões?

-Como se resolverão os conflitos?

-Como se farão cumprir as decisões da comunidade?

-Quais serão as funções e as expectativas da liderança?

-Como se relaciona a Ecovila com as comunidades vizinhas?

Desafios da coesão grupal

Para poder manejar todos estes desafios, os membros da Ecovila necessitam algo

que os mantenha unidos, algumas bases de valores compartilhados e uma visão que lhe possa dar a coesão. Desenvolver e manter essa coesão é outro nível de desafio, que irá despertar perguntas como:

-Qual é a relação apropriada entre unidade e diversidade?

-Que expectativas se tem com relação a valores, comportamentos ou práticas de grupo compartilhadas?

-Até que ponto se desenvolve melhor essa proximidade?

-Como irá se relacionar o grupo com outras pessoas fora do grupo?

Desafios do sistema total

Um dos maiores desafios que enfrentam aqueles que intentam criar uma Ecovila é talvez que se necessitam transformações em tantas diferentes áreas da vida. Quase sempre os fundadores de comunidades intentam ou se sentem forçados a trabalhar todos os aspectos desta transformação simultaneamente.

Geralmente, todas estas transformações levam mais tempo e são mais custosas do que se espera. Ainda mais, cada área de transformação, interagirá com as outras de maneira imprevisível. Dentro do processo, os recursos financeiros, recursos emocionais e as relações interpessoais podem ser postas sob uma grande pressão. Quando os intentos de comunidade falharam, uma das razões foi geralmente porque o grupo intentou fazer demasiado e muito rápido com relação aos recursos à sua disposição.

O desafio do sistema total então, é de tomar um honesto sentido do alcance da empreitada, e logo desenvolver uma aproximação que permita à comunidade desenvolver-se a um passo sustentável e seguro.

Em outras palavras, "sustentabilidade" não é uma característica da comunidade finalmente implantada, tem que ser parte do pensamento e dos hábitos do grupo desde o começo.

Construir uma Ecovila bem-sucedida requer equilíbrio de atividades entre três principais fases:

1) Recursos e desenho.

2) Criação e implementação.

3) Manutenção de cada uma das áreas de DESAFIO.

Tomar todos os desafios juntos pode resultar excessivo. Não é surpreendente que ainda não haja comunidades que consigam completar o ideal de Ecovila. Se existem muitos projetos e grupos pioneiros que fizeram progressos consideráveis em aproximar-se em forma bem-sucedida a cada um destes desafios. Inclusive, algumas comunidades poderiam em poucos anos considerar-se Ecovilas completas.

Aqueles grupos que atualmente estão dirigindo seus esforços para estes objetivos, tanto ao iniciar uma nova Ecovila ou ao intentar transformar uma comunidade intencional já existente, felizmente não precisam começar do nada.