UFPA divulga nomes de aprovados no Processo Seletivo Indígena

A Universidade Federal do Pará divulgou o resultado do Processo Seletivo Especial para Indígenas.  Em 2011, segundo ano consecutivo da seleção diferenciada, houve 417 inscritos, dos quais 139 inscrições homologadas e 45 aprovados. Os candidatos realizaram prova de redação no último dia 30 de janeiro e, em seguida, participaram de entrevistas individuais. A relação de aprovados por município, onde as vagas foram ofertadas, é de 6 em Altamira; 14 em Belém; 10 em Marabá e 14 em Santarém. A lista com a relação de aprovados está disponível no site do Centro de Processos Seletivos da UFPA (Ceps).

De acordo com a antropóloga e coordenadora do processo na UFPA, professora Jane Beltrão, os dados de 2011 estão compatíveis com os do ano passado, quando o número de inscrições foi de 516, 194 homologações e 67 aprovações. “Dentre os motivos pelos quais nem todos os que demandam as vagas chegam até a reta final da seleção estão a dificuldade para providenciar a documentação de comprovação do pertencimento a etnias indígenas e de conclusão do ensino médio, e o fato de que o ensino médio na educação escolar indígena do Pará é o pior em termos de qualidade no ranking nacional”, explica a professora Jane.

Além disso, muitas escolas entraram em greve durante o ano letivo e, para muitos estudantes, o ano escolar de 2010 ainda nem terminou, de modo que muitos candidatos não conseguiram o histórico do ensino médio, um dos documentos necessários para a aprovação.

Tradição oral - A exigência era que os candidatos tirassem, no mínimo, a nota 4 na redação. Mas, segundo aponta Jane, a fase decisiva da seleção é a entrevista, uma vez que a força da cultura indígena está na tradição oral. “Neste momento, analisamos a documentação e conversamos com os candidatos sobre quais benefícios a formação deles nos cursos escolhidos pode levar para as aldeias”, afirma a coordenadora. Na fase da entrevista, os concorrentes também prestam informações que indicam situações de vulnerabilidade social. “Aqueles que mais precisam, em termos de dificuldade de acesso ao ensino superior, se tornam candidatos preferenciais”, complementa Jane Beltrão.

Concorrência - A UFPA disponibiliza duas vagas em cada curso para a concorrência somente entre os indígenas. Acontece que nem todos os cursos são demandados e, ainda, muitos candidatos não estão aptos a serem classificados. A maior concorrência entre os indígenas está registrada em cursos na área de Saúde, Direito, Educação, Ciências da Terra e Ambiental. Segundo Jane Beltrão, as áreas estão associadas aos principais problemas enfrentados nas comunidades indígenas. “Em vista disso, uma expectativa para processos futuros é verificar a possibilidade de aumentar a oferta de vagas nos cursos de maior demanda.”

Outras estratégias previstas são buscar apoio na Pró-Reitoria de Extensão (Proex) para conferir assistência estudantil que garanta a permanência do indígena na Universidade, além de apoio para a adequação pedagógica dos docentes, a fim de que estejam melhor preparados a acolher os indígenas que ingressam na Instituição por meio de seleção diferenciada.

Aprovados - Os cursos em que houve aprovações são Agronomia (1), Ciências Biológicas (1), Engenharia Florestal (2) e Pedagogia (2), em Altamira; Ciências Sociais (1), Direito (2), Engenharia de Minas (2), Geografia (1), Letras (2) e Pedagogia (2), em Marabá; Administração (1), Biomedicina (1), Ciências Biológicas (1), Direito (1), Educação Física (1), Enfermagem (2), Engenharia Civil (2), Engenharia Sanitária (1), Fisioterapia (1), Medicina (2), Odontologia (1) e Pedagogia (1), em Belém.

Também está disponível no site do Ceps a relação de indígenas aprovados na Universidade Federal do Oeste do Pará (Ufopa).

Para acessar a relação com os nomes dos aprovados, clique aqui.

Texto: Jéssica Souza – Assessoria de Comunicação da UFPA