Home ] Histórico ] [ Projeto Político-Pedagógico ] Links Interessantes ] Docentes ] O Curso de Ciências Econômicas ] Colegiado Economia ] Extensão ] Disciplinas ]


 UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ
CENTRO SÓCIO-ECONÔMICO
Coordenação do Curso de Bacharelado em Ciências Econômicas
             PROJETO POLÍTICO DIDÁTICO PEDAGÓGICO
(EDITAL N.º 004/2000 - PROEGS-DEP. DIDÁTICO CIENTÍFICO)
 (PROPOSTA PARA DISCUSSÃO)

APRESENTAÇÃO

             A Reitoria da UFPa, por intermédio  da PROEGS, vem estimulando o desenvolvimento e debate do Projeto Didático-Pedagógico, compreendendo que:

                                                           "... a Lei de Diretrizes e Bases da Educação nacional aprovada em 1996 determina a estruturação dos cursos superiores em termos de diretrizes curriculares; em que várias orientações do Conselho nacional de educação (CNE) chamam para elaboração dos projetos didáticos-pedagógicos dos cursos de graduação definidos em termos das competências e habilidades que o graduado destes cursos deva possuir; em que o investimento das e nas Universidades tem priorizado o ensino de pós-graduação e a pesquisa em detrimento do ensino de graduação; em que a tentativa de integrar o ensino e a pesquisa ou a extensão em nossa Universidade  através dos projetos apresentados ao PROINT tem sido insuficiente em relação às necessidades de reforma dos programas de graduação...

            Resolveu, assim,  estimular os Cursos de Graduação a apresentarem "projetos pedagógicos inovadores", disponibilizando um certo montante de recursos para viabilizá-los. 

Consideramos que frente as nossas enormes debilidades, expostas  não somente através da recente avaliação do MEC, quanto da reconhecida precariedade com que vem funcionando o curso, devemos envidar esforços para a retomada das discussões e reestruturação do curso. Neste sentido, o Projeto Pedagógico a seguir apresentado, colabora com o intuito de retomarmos as discussões sobre os caminhos a  trilharmos.

 

                                                                                        Prof. José Raimundo Trindade

  

I – INTRODUÇÃO

A preocupação central deste projeto é  construir elementos de aperfeiçoamento das práticas pedagógicas  e de melhoria acadêmica do curso de bacharelado em Ciências Econômicas da Universidade Federal do Pará[1]. Vale frisar que este projeto  enseja a plena articulação entre ensino, pesquisa e extensão, considerando os aspectos de complementaridade, entre cada uma destas dimensões, na formação do cientista social em ciências econômicas. Entendemos a plena integração destas três dimensões como elemento chave de nossa prática pedagógica.

Este projeto é entendido como um instrumento de intervenção não somente pedagógica, mas também político, na medida em que ele articula um certo perfil de curso, cuja compreensão é da interação com a realidade regional e local no qual se desenvolve. Veiga (1997:13)[2]  define o projeto político-didático-pedagógico como "um processo permanente de reflexão e discussão dos problemas da escola, na busca de alternativas viáveis à efetivação de sua intencionalidade, que não é descritiva ou constatativa, mas é constitutiva". Neste sentido, este projeto é instrumento de  constituição e aperfeiçoamento de nossa prática institucional, informando e construindo um curso de economia de qualidade e comprometido com os interesses reais e coletivos da população majoritária da região amazônica.

Nesta introdução, torna-se necessário salientar as bases que fundamentam  este Projeto, a saber:

·                                A Resolução n.º 11/84, do MEC, bem como o Parecer CFE nº 375/81, que a embasou, e que até hoje delineia os parâmetros de todos os cursos de Economia do país, enquanto não são editadas as novas diretrizes para as grades curriculares dos cursos superiores, ora em discussão no âmbito do CNE;

·                                As deliberações e manifestações, nos últimos três anos, das plenárias de eventos que têm congregado os economistas de todo o Brasil, em especial: os Encontros Anuais da Associação Nacional de Cursos de Graduação em Economia (ANGE); os Simpósios Nacionais de Conselhos de Economia (SINCE); os Encontros Brasileiros de Economia (EBE); e até mesmo os Encontros Anuais da Associação Anual de Cursos de Pós-Graduação em Economia (ANPEC), além de recomendações emanadas do Conselho Federal de Economia (COFECON); Federação Nacional de Economistas (FENECON); e Conselho Regional de Economia Pará-Amapá (CORECON). Todos estes eventos e instruções têm pugnado pela manutenção do espírito e do escopo da citada Resolução n.º 11/84 do MEC, mesmo aquando das aguardadas novas Diretrizes Curriculares ora em discussão.

·                                O projeto elaborado pela Comissão de Especialistas em Ensino de Ciência Econômica, encaminhado pela mesma ao CNE em maio/1999.

2. FINALIDADES DO PROJETO  DIDÁTICO PEDAGÓGICO DO CURSO DE ECONOMIA: UM CURSO ABERTO A COMPREENSÃO  E ATUAÇÃO SOBRE A REALIDADE AMAZÔNICA.

             O Curso de Economia persegue finalidades, as quais referem-se, principalmente, aos efeitos intencionalmente pretendidos, destacando-se: i) a formação geral e básica de economistas a partir de um determinado  perfil de curso; ii)  o comprometimento institucional com  as exigências gerais e particularidades locais, tendo em conta sua obrigatória condição de intérprete privilegiado das questões regionais (amazônicas) e locais, sem descurar da necessária análise e intervenção sobre o contexto nacional, o que efetivamente se desenvolve com a prática da pesquisa científica e da extensão, elementos fundamentais para a real compreensão do sentido de Formação Universitária.

O Curso de Economia deverá apresentar um perfil eminentemente CIENTÍFICO antes que meramente TÉCNICO, objetivando tornar o Economista um analista que, com base em uma sólida formação teórica, saiba eleger metodologias qualitativas e quantitativas as mais adequadas à solução dos problemas que se lhes apresentarem, sem jamais perder de vista: o comprometimento com o social; com as realidades local, regional e nacional; e com a ética profissional. Para tal, o curso deverá ser voltado, não somente em sua grade curricular, mas também nas metodologias de apresentação, para a discussão e aferição crítica dos conteúdos programáticos voltados a compreensão e análise dos problemas amazônicos, além das atividades conexas de pesquisa e extensão.

Os princípios que norteiam nosso projeto de formação educacional e profissional compreendem:

·                                Uma formação humanística aliada à uma visão científica, que o habilite a compreender o fenômeno econômico em suas múltiplas imbricações com o ambiente social, cultural, político e ambiental, de modo a habilitá-lo a apontar iniciativas e propor projetos em um mundo que se caracteriza cada vez mais pela interdependência dos fenômenos;

·                                Uma visão pluralista, em coerência com o caráter plural da ciência econômica, formada por correntes de pensamento e paradigmas diversos. Esta pluralidade se expressará no diálogo e debate entre os docentes que comunguem de diferentes posições teórico-metodológicas, superando a estreiteza das visões "unidimensionais";

·                                Um comprometimento com as realidades nacional e regional, para que seu trabalho sempre seja voltado para a busca de um projeto de desenvolvimento sócio-econômico sustentável para toda a sociedade, não somente para segmentos funcionais e regionais da mesma;

·                                Um sólido embasamento científico para atuar tanto no Setor Público como no Setor Privado, inclusive incentivando-o a progredir em sua formação, incluindo a formação teórica; o desenvolvimento do pensamento econômico; e as disciplinas auxiliares, sobressaindo-se as técnicas quantitativas aplicadas à Economia.

A    A Formação do economista: A Cultura Geral e as habilidades básicas a serem implementadas

          2.1.   A formação do Cientista em Ciências Econômicas aparece como uma das finalidades princípuas, destacando-se  a necessária adequação de sua  formação à realidade regional. Neste sentido persegue-se uma "finalidade cultural, ou seja, a de preparar culturalmente os indivíduos para uma melhor compreensão da sociedade em que vivem" (Alves 1992 apud Veiga, 1997), o que é atingido  por uma certa formação geral. Do mesmo modo deve-se destacar  a sua finalidade de formação profissional, compreendendo habilidades básicas a serem desenvolvidas. Deste modo:

2.1.1        O Curso deverá proporcionar  uma sólida formação geral aos economistas, compreendendo os seguintes aspectos centrais:

 a) Uma base cultural ampla, que possibilite o entendimento das questões econômicas no seu contexto histórico-social, ensejando as especificidades amazônicas, sem descurar das relações da totalidade do sistema de produção capitalista;

 b) Garanta a capacidade analítica, visão crítica e competência para adquirir novos conhecimentos;

     c) Proporcione a capacidade de diálogo  e interação com profissionais de outras áreas, preparando esse profissional para participação em equipes interdisciplinares, com pleno domínio de sua disciplinaridade;

     d) Habilite a uma efetiva comunicação e expressão oral e escrita.

2.1.2        Por outro lado faz-se necessário o desenvolvimento de habilidades básicas, cuja consecução é imprescindível  ao profissional que se almeja. Deste modo nossa formação acadêmica proporcionará  aos discentes competência e habilidades para:

a) Desenvolver raciocínios lógica e teoricamente consistentes;

b) Leitura e compreensão de textos econômicos;

c)Lidar com conceitos teóricos básicos  e fundamentais da Ciência Econômica, na sua diversidade metodológica e de escolas de pensamento;

d)Capacidade dissertativa, inclusive para elaboração de monografias, pareceres e relatórios;

e)Utilizar formulações matemáticas e estatísticas na análise dos fenômenos sócio-econômicos;

f)Utilizar o instrumental econômico para analisar situações históricas concretas, em particular as formações econômicas amazônica e paraense;

g)Possibilitar a  capacidade elaborativa e de avaliação de projetos privados e sociais, como também de programas sociais e políticas públicas.

     d 2.1.3        Outras finalidades devem ser apontadas, complementando as atividades de ensino de graduação já detalhadas. Neste sentido as atividades de pesquisa e extensão estão aqui inscritas como parte da formação integral do estudante de economia e elementos de intervenção política e social do  Curso de Economia na realidade em que se encontra:

a) Promover pesquisas sócio-econômicas sobre as problemáticas amazônicas, ressaltando-se as seguintes linhas de pesquisa:

1-     Mineração e Grande Empresa Mineradora na Região;

2-     Estado, Gestão e Políticas Públicas;

3-     Mercado de Trabalho, Geração de Emprego e Renda;

4-     Gestão Ambiental;

5-     Desenvolvimento.

b)Cumprir papel promotor dos debates e discussões sobre os problemas econômicos locais, interagindo com outras instituições sociais de caráter público e privado, sindicatos de trabalhadores e patronais, movimentos sociais e organizações não-governamentais. Para consecução deste item dispomos dos "Painéis de Análise de Conjuntura" (conferir anexo 8), como instrumento de debates e de aproximação dos estudantes dos temas relevantes da conjuntura econômica brasileira e regional;

c) Desenvolver o acompanhamento conjuntural, mediante informativo analítico mensal (conferir detalhamento no anexo 8);

d)Disponibilizar como extensão, Cursos Livres e Seminários Temáticos, para o público interno (discentes, docentes e funcionários) e externo;

e)Disponibilizar como extensão, consultoria e assessoria técnica para pequenos e médios empresários; sindicato de trabalhadores e movimentos sociais. O "Escritório Modelo" e  a "Empresa Jr.", são importantes componentes de nossa estrutura organizacional que possibilitam a execução deste item. 

3.      CONTEÚDO CURRICULAR 

O Curso deverá apresentar, disciplinas e respectivos conteúdos programáticos (Anexo 1) voltados ao desenvolvimento das habilidades acima descritas , de maneira a conduzir o graduado em Economia ao perfil desejado. Atualmente essas disciplinas  estão agrupadas nos seguintes blocos, em conformidade com a Res. 11/84 do MEC: 

I – MATÉRIAS DE FORMAÇÃO GERAL

1. Núcleo Comum

Introdução à Teoria Econômica  

Matemática I  

Introdução à Estatística Econômica I    

Introdução à Estatística Econômica II   

Evolução das Idéias Sociais                    

Direito e Economia                                

Contabilidade e Análise de Balanço        

2. MATÉRIAS DE ESCOLHA

Estado e Economia                               

II - MATÉRIAS DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL

1. NÚCLEO COMUM – FORMAÇÃO TEÓRICO-QUANTITATIVA

Estatística Econômica e Introdução à Econometria  

Contabilidade Social                                                

Teoria Macroeconômica I                                        

Teoria Macroeconômica II                                      

Teoria Microeconômica I                                        

Teoria Microeconômica II                                       

Economia Internacional                                           

Economia do Setor Público                                       

Economia Monetária I                                               

Economia Monetária II                                              

Desenvolvimento Sócio-Econômico                          

2. NÚCLEO COMUM – FORMAÇÃO TEÓRICO-HISTÓRICA

Economia Clássica                             

Economia Neoclássica                       

Economia Política I                           

Economia Política II                          

História Econômica Geral                  

Formação Econômica do Brasil         

Economia Brasileira Contemporânea 

3. NÚCLEO COMUM – TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO

Técnicas de Pesquisa em Economia

Monografia [3] (Seminários de Monografia)       

4. MATÉRIAS DE ESCOLHA

Economia Industrial                         

Política e Planejamento Econômico  

Econometria                                    

III – DISCIPLINAS ORIUNDAS DA INSTITUIÇÃO

1. FORMAÇÃO TEÓRICA GERAL

Crescimento e Ciclos                                 

Acumulação e Crises                                 

Formação do Capitalismo Contemporâneo 

Português Instrumental                             

     2.FFORMAÇÃO TEÓRICA ESPECÍFICA

Economia Amazônica     

     3.FORMAÇÃO TEÓRICA INSTRUMENTAL

3.   Matemática Econômica I               

Matemática Econômica II              

Elaboração e Análise de Projetos   

Avaliação de Projetos                    

      4.OUTRAS DISCIPLINAS DA INSTITUIÇÃO

Estágio Supervisionado                

Educação Física  (facultativa)                        

Além das disciplinas listadas, este Projeto Pedagógico prevê a inclusão de disciplinas eleitas pelo Curso como adequadas  à realidade regional – seus problemas e suas carências, as quais poderão, inclusive, não ter conteúdo programático pré-aprovado, senão que apenas os balizamentos quanto à segmentação dos assuntos a serem discutidos na forma de Seminários Temáticos Especiais,  nos últimos semestres do curso. Estes Seminários Temáticos  terão  uma estrutura flexível, podendo ser ministrados por mais de um professor e, na medida do possível, com a participação de professores convidados de outras Universidades e de outros Cursos ou Núcleos da UFPa (NAEA, por exemplo), assim como a rica experiência de convidar profissionais de empresas privadas e órgãos públicos para relatarem suas experiências e discutirem temas afins. Estes Seminários abrem a possibilidade, também,  do aluno ter  acesso a visões distintas sobre determinada temática. 

A integração curricular deverá ser garantida por um grade que estabeleça o melhor caminho crítico na disposição cronológica da seqüência de disciplinas, com o respeito aos pré-requisitos. A grade curricular atual reflete somente parcialmente as necessidades já colocadas, sendo fundamental seu aperfeiçoamento.

Nesse contexto desponta como coroamento do Curso a realização da disciplina Monografia, nos moldes do que preceitua a Res. 11/84 do MEC. Esse trabalho de conclusão de curso, para cada discente já deverá ter seu projeto discutido e aprovado no decorrer da cadeira de Técnica de Pesquisas em Economia, devendo, no último ano, ser objeto de orientação do aluno por um docente com pós-graduação e/ou reconhecida experiência em trabalhos de pesquisa. A Monografia permitirá ao aluno exercitar todo o instrumental – teórico, histórico e quantitativo – que recebeu durante o curso, sobre um aspecto específico da economia, sendo, ao final, apresentada e defendida perante banca constituída por seu orientador e mais dois professores de disciplinas que sejam conexas ao assunto principal do trabalho. O Projeto de  Apresentação de Monografias ao Curso, coordenado pelo professor da disciplina Técnicas de Pesquisa em Economia, semestralmente orientará a exposição, à toda a comunidade, dos melhores trabalhos do período. Conferir em anexo a minuta do  "Manual de Apresentação da Monografia do Curso de Economia" e do referido projeto  mencionado (anexos 6 e 7).

Este Projeto Pedagógico considera fundamental, ainda, a busca de um perfil do egresso, com habilidades consideradas necessárias para um aproveitamento adequado de todo o conteúdo programático, bem como para um desempenho aceitável do cientista econômico em sua carreira. Esse perfil desejado do egresso passa por uma reavaliação do Processo Seletivo (“Vestibular”), de modo a solicitar da Universidade um grau de exigências compatíveis com as especificidade do Curso, em termos de disciplinas e de ponderações. Consoante diretrizes gerais já aprovadas pela Universidade Federal do Pará, para o Vestibular do ano de 2001, essas mudanças já deverão ocorrer, estando o Colegiado do Curso iniciando a discussão de sua proposta de adequação à referida revisão (conforme Resolução do CONSEP).

4.   ESTRUTURA ORGANIZACIONAL DO CURSO DE ECONOMIA

Existem dois tipos básicos de estrutura organizacional característicos de qualquer instituição com fins de formação escolar: administrativas  e pedagógicas. As primeiras dizem respeito ao conjunto de elementos materiais e infra-estruturais que servem de base de apoio a "ação pedagógica".  As estruturas pedagógicas organizam as funções educativas para que a "escola atinja eficientemente as suas finalidades" (Veiga, op. cit:25).

A estrutura administrativa do curso está reduzida, fundamentalmente, a uma secretaria compartilhada com outros três cursos do CSE (administração, contabilidade e serviço-social) onde quatro funcionários técnico-administrativos executam as atividades burocráticas  de acompanhamento discente. É necessário um grande esforço para melhoria desta estrutura, incluindo-se a expansão e formação dos quadros administrativos disponíveis, sendo meta deste Projeto Pedagógico, um Plano de Formação dos funcionários.

As estruturas pedagógicas ao organizarem as funções educativas constituem-se em componentes fundamentais para o desenvolvimento das técnicas de ensino e do uso mais eficiente dos métodos pedagógicos. Neste sentido nossos principais recursos de estrutura pedagógica são:

                      Laboratório de informática/Home Page do curso. Uma das principais aplicações da informática na área  de ensino de economia, diz respeito a construção de modelos e a simulação de modelos econométricos. Neste sentido, o exercício de operacionalização de sistemas modelares relativamente complexos, torna-se um importante instrumental pedagógico. De outro modo a pesquisa bibliográfica mais detalhada, em "home pages" de bibliotecas de Universidades nacionais e internacionais, possibilitam o desenvolvimento de monografias de conclusão de curso e artigos desenvolvidos por professores e alunos. Uma outra fonte importante são os "sites" governamentais e de Institutos de Pesquisa (www. Ibge.gov.br, por exemplo). O uso criativo e pedagogicamente acompanhado desses recursos, possibilitariam um ganho de interatividade ensino/pesquisa, aspecto tão caro as novas dinâmicas educacionais. Encaminhamos um projeto de melhoria e expansão de nosso laboratório de informática. A alimentação da home page do curso  é fundamental, constituindo-se em instrumento central de divulgação de nossas atividades. Seu conteúdo permitirá o acesso rápido ao resumo das monografias defendidas pelos discentes, textos de discussão elaborados pelos professores e calendário acadêmico. Conferir Anexo 3 e Proposta de Home page para o curso ; 

 

           Biblioteca/videoteca equipadas com material adequado às exigências das disciplinas. Não há dúvida que estes equipamentos constituem-se nos principais componentes de qualquer estrutura pedagógica. Neste sentido encaminhamos (conferir Anexo 5) projeto de aumento do acervo da Biblioteca Central e Setorial, dotando-as dos títulos necessários ao desenvolvimento dos programas disciplinares e das condições mínimas para realização de pesquisa acadêmica. Do mesmo modo a disponibilidade de acervo de fitas, tratando de diferenciadas temáticas, é aspecto fundamental para dinamização das aulas dos cursos regulares. Desta forma encaminhamos, também, um projeto de Videoteca (conferir Anexo 4) e proposta de atualização do acervo bibliográfico  ;

[1] O curso de "Ciências Econômicas" (Bacharelado) teve seu início em 23 de maio de 1949, reconhecido pelo decreto presidencial/MEC n. 32.923 de 02/06/1953, sendo que apresenta hoje turmas regulares nos turnos da manhã e noite, com o total de 522 alunos matriculados (2º semestre de 1999).

[2] VEIGA, Ilma Passos Alencastro (org.). Projeto Político-pedagógico da escola: Uma construção possível. Campinas (SP): Papirus, 1997.

[3] No anexo --- estão descritas as especificações normativas para desenvolvimento da Monografia pelo discente, com as especificações quanto a orientação. Os Seminários de Monografia serão ofertados aos estudantes que estejam fazendo os  dois últimos semestres, podendo versar de conteúdo direcionado, como normalização de trabalhos científicos, técnicas para elaboração de textos científicos etc.